Minha opinião sobre o e-commerce no Brasil

Com a popularização da internet no Brasil principalmente na última década, o comércio eletrônico vem ganhando cada vez mais notoriedade entre as pessoas. Há várias lojas virtuais espalhadas pela web oferecendo de tudo, desde celulares, passando por computadores até TVs de tela grande. Para aqueles que necessitam de produtos não tão tecnológicos assim podem achar com igual facilidade brinquedos, roupas, calçados, artigos esportivos, bicicletas, eletrodomésticos em geral, como: liquidificadores, espremedores de frutas, batedeiras, fogões, geladeiras, máquinas de lavar, secadores de cabelo, chapinhas, fritadeiras etc. A lista é bem extensa.

 

Bela jovem comprando na internet

 

Seja qual for a sua preferência, as empresas já entenderam que esta tendência de mercado veio para ficar e estão muito atentas ao aumento da demanda. Assim elas não pouparam investimentos e esforços para que grandes portais de consumo online surgissem: Americanas, Submarino, Walmart, Saraiva, Extra, Carrefour, Casas Bahia, Ricardo Eletro, Magazine Luiza, Fast Shop, Polishop, Dafiti, Netshoes, Centauro, dentre muitos outros.

Da mesma forma que os grandes portais de e-commerce evoluíram, os meios digitais de pagamento também tiveram que seguir o mesmo ritmo com o objetivo de atender às crescentes expectativas dos milhões de pessoas que passaram a usar a internet como meio de compra e venda de produtos e serviços. Assim, quanto maior o nível de sentimento de segurança das pessoas ao usar os sistemas online, maior também o número de transações.

De olho neste mercado, o banco Itaú lançou recentemente o cartão de crédito virtual cujo número é válido uma única vez. Isso incentiva aqueles usuários mais desconfiados a fazerem a sua primeira compra na internet.

Aliás, um comércio via web que passa despercebido pelos grandes portais, mas que mesmo assim ainda movimenta milhões de reais por ano é o mercado de semijoias e bijuterias. Por falar nelas, comprar bijuterias no atacado por intermédio de sites de empresas do ramo é perfeitamente factível e seguro. Assim como iniciar a revenda de bijuterias para amigos e familiares, podendo até se expandir a um e-commerce ou uma loja física.

Se você consultar o Sebrae, entidade privada que apoia as micro e pequenas empresas, você encontrará um artigo sobre as principais feiras do setor dentre elas:

Feninjer – Feira Nacional da Indústria de Joias, Relógios e Afins realizada em São Paulo.

Bijoias – Feira Internacional de Bijuterias, Acessórios, Joias de Prata e de Aço, Folheados e Semijoias. Local: São Paulo.

Ajorsul Fair Mercoóptica – Feira Nacional promovida pela Associação do Comércio de Joias, Relógios e Óptica do Rio Grande do Sul (Ajorsul). Estão também presentes expositores de prata e folheados. Acontece na cidade de Gramado (RS).

Fiba – Feira Internacional de Bijuterias e Acessórios. Sediada no município do Rio de Janeiro.

Ajoresp Brasil Show – Feria Nacional de Joias e Relógios promovida pela Associação dos Joalheiros e Relojoeiros do Noroeste Paulista. O evento acontece em Campinas (SP).